Quinta-feira, 19 de Maio de 2005

Mário Sá-Carneiro - A Confissão de Lúcio

 Sento-me. Enquanto vou dando voltas à colher e beber o meu café, olho para a figura que está à minha frente. Um jovem quase velho, escreve com sofreguidão mais uma carta. Não me vê. Sou um fantasma, um fantasma de mim, um fantasma dele, um fantasma de todos. Estamos num mundo que não é o nosso não é Mário? Deixa-me ver a quem escreves, ah!... é a Ponce de Leão teu amigo dos tempos de escola. Permites-me que a leia? Obrigado!


Lisboa - Setembro de 1913
Dia 26


Meu querido amigo,

Não te zangues. isto é sem cerimónia. Perdoa...
Bem sei que tens concurso – e casamento (os bustos não esquecem: 1 aproxima-se).

Mas ouve:

Se amanhã à noite sábado quiseres e puderes gostava que viesses a minha casa às 8 1/2 9 horas. Gramarias (sozinho com o F. Pessoa) a célebre «Confissão de Lúcio» em cuja primeira página o teu nome se imprime.

Era-me muito agradável que viesses pois é lamentável que tendo eu escrito esse conto para ti, não sejas tu o primeiro a ouvi-lo. Mas nota bem: eu compreendo optimamente os teus afazeres e portanto não me zango nada se não puderes vir [no texto: «vires»]. Mas faz um esforço, sim? Sacrifica-me duas horas. Agradecer-tas-ei como uma vida inteira!...

Adeus, perdoa-me!

Um grande abraço do

Sá-Carneiro

P. S. – Não venhas se não puderes de todo. E não me zango!

Mário de Sá-Carneiro, A Confissão de Lúcio:

"- Ah! meu querido Lúcio - tornou ainda o poeta -, como eu sinto a vitória de uma mulher admirável, estiraçada sobre um leito de rendas, olhando a sua carne toda nua... esplêndida... loura de álcool! A carne feminina - que apoteose! Se eu fosse mulher, nunca me deixaria possuir pela carne dos homens - tristonha, seca, amarela: sem brilho e sem luz... Sim! num entusiasmo espasmódico, sou todo admiração, todo ternura, pelas grandes debochadas que só emaranham os corpos de mármore com outros iguais aos seus - femininos também; arruivados, sumptuosos... E lembra-me então um desejo perdido de ser mulher - ao menos, para isto: para que, num encantamento, pudesse olhar as minhas pernas nuas, muito brancas, a escoarem-se, frias, sob um lençol de linho...
(...)
...uma noite, sem me dizer coisa alguma, ela pegou nos meus dedos e com eles acariciou as pontas dos seios - a acerá-las, para que enfolassem agrestemente o tecido ruivo do quimono de seda.
E cada noite era uma nova voluptuosidade silenciosa.
Assim, ora nos beijávamos os dentes, ora ela me estendias os pés descalços para que lhos roesse - me soltava os cabelos; me dava a trincar o seu sexo maquilhado, o seu ventre obsceno de tatuagens roxas...
E só depois de tantos requintes de brasa, de tantos êxtases perdidos - sem força para prolongarmos mais as nossas perversões - nos possuíamos realmente."

publicado por marius70 às 04:53
link do post | comentar | favorito

Mário Sá-Carneiro - O Outro

 Mário sinto esse teu desejo de escapulires da vida. Que batalha travas dentro de ti. Essa ponte de tédio que te separa do outro está a desmoronar-se. Olhas e nada mais vez que um fim que te liberte das amarras do teu íntimo. Ser ele ou ser ela, ó que dor! Sentir a seda a escapulir pelo corpo ó que delírio! Mário porque não mais lutaste e deixaste o grifo alado tomar-te nos braços e desaparecer... para sempre?!... Para sempre não Mário pois agora, é que te compreendemos!...

... e a tua sombra Mário?!... seria o outro ou, simplesmente... tu!




na voz de Adriana Calcanhoto


Lisboa, Fevereiro de 1914.

publicado por marius70 às 04:51
link do post | comentar | favorito

Mário e Pessoa

 Os dois poetas encontram-se, Mário e Pessoa. Fito-os em silêncio. Sentados, cada um procura no outro o porquê de tanta luta interior. Estão “sós” embora milhares de transeuntes passem por perto. Nada lhes escapa, tudo lhes foge. A vida, o sentimento, a amargura de estarem fora de tempo, dum tempo que não é o deles. Ambos, “dormem” no silêncio dos seus pensamentos como fugindo da vida onde a morte... é o sono eterno!


S.C. - Fios de oiro puxam por mim
F.P. - Durmo. Se sonho, ao despertar não sei
S.C. - A soerguer-me na poeira
F.P. - Que coisas eu sonhei
S.C. - Cada um para o seu fim,
F.P. - Durmo. Se durmo sem sonhar, desperto
S.C. - Cada um para o seu norte...
F.P. - Para um espaço aberto
S.C. - Ai que saudades da morte...
F.P. - Que não conheço, pois que despertei
S.C. - Quero dormir..., ancorar...
F.P. - Para o quê ainda não sei.
S.C. - Arranquem-me esta grandeza!
F.P. - Melhor é nem sonhar nem não sonhar
S.C. - P'ra que me sonha a beleza,
F.P. - E nunca despertar.
S.C. - Se a não posso transmigrar?...


(dois poemas entrecruzados de Mário e Pessoa)

publicado por marius70 às 04:50
link do post | comentar | favorito

Mário Sá-Carneiro - FIM



 Por Paris passaste numa agonia constante de um império agonizante. Deuses ínfimos, heróis de pés-de-barro por ti criados na tua imaginação de criança que nunca te largou... E, nos escombros da tua existência, nem uma réstia de um sorriso pois foste sempre... taciturno!



Gostava tanto de mexer na vida,
De ser quem sou – mas de poder tocar-lhe...

FIM

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.

Paris, 1916


publicado por marius70 às 04:48
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Maio de 2005

Os Clones - Peça de Teatro em Quatro Actos



 A sala estava apinhada de gente com duas pessoas; o B e o K.

 Ouvem-se as pancadinhas de Moliére... pum... pum... pum... pumpumpumpum!...

 No fosso, os primeiros acordes de «Requiem para um amigo», versão orquestral da canção de Elton John, «Funeral for a friend».

 A cortina abre-se lentamente. No palco estão, somente, quatro espelhos. No 1.º encontrava-se reflectida a imagem da «coqui». No segundo, a do «Darq»; no 3.º, «Angol» e no 4.º «Marius70».

- 1.º Acto –

  Marius70 entra no palco e dirige-se para 1.º espelho.

- Bom dia meu clone «coqui», então por aqui? Com que então és meu clone e nada me dizias. Lembras-te quando íamos ao Estádio da Luz ver aquelas noites europeias... o quê não te lembras?... o inferno da Luz, as noites mal dormidas e aquela paixão presente sempre que o Benfica ultrapassava mais um obstáculo. Também não te lembras?... mas afinal que clube é o teu? És do Sporting?! Onde moras?!... perto do Porto? Ora, eu moro perto de Lisboa. Tu és do Leão e eu sou da Águia, estás no Norte e eu estou no Centro/Sul. És mulher, eu sou homem, afinal, tu, não és meu clone!

  Fecham-se por momento as cortinas. Quando reabrem só lá estão três espelhos. A orquestra continua a tocar o «Requiem...».

- 2.º Acto. –

  Marius vai em direcção ao 2.º espelho.

- Olá Darq, meu clone! Não é que pensava que a coqui era eu?!... afinal, não! Mas tu sim, não há engano possível. Já estás a dizer que não e ainda agora comecei?! Tu és Águia, logo és do Glorioso como eu. Lembras-te quando tivemos que saltar as vedações do Estádio da Luz, em 16 de Março de 1983, quando o Benfica defrontou o Roma? Aquilo é que foi uma jogatana. Tínhamos ganho lá por 1-0 e os Romanos vinham com ganas de dar a volta ao resultado. Grande jogo do Pietra. O quê?... não saltaste nenhuma vedação?! Vou-te avivar a memória Darq. Não te lembras daqueles jogos contra o Liverpool, que “cabazada” levamos, contra U. Craiova, ao Olympiakos demos três secos; golos de Filipovic, Diamantino e Maniche, contra o Sampdoria, contra..., o quê?...não te lembras? Afinal, tu, também não és meu clone!

  Fecham de novo as cortinas. Depois de abertas só lá estão dois espelhos.

- 3.º Acto. –

  Marius70, aborrecido, dirige-se ao 3.º espelho.

- Angol, é só decepções!... por duas vezes me enganei!... mas tu não me enganas! Lembras-te quando jogávamos à bola na Casa Branca, ali junto à antiga lixeira? Hoje é o Roque Santeiro. Aquilo é que eram jogos, mudávamos aos cinco e acabávamos aos dez. Quando íamos ao Estádio dos Coqueiros ver as equipas do “puto” jogar. Era o Benfica, era o Porto, o Sporting, a Académica, o Varzim e aquela comunidade portuguesa deslocava-se ao Estádio para ver de perto os seus ídolos. O Eusébio, o Peres do Sporting, o Hilário, o Coluna e tantos mais. Aquilo sim... aquilo é que eram jogadores! E o Asa, o Benfica e o Sporting de Luanda nada podiam fazer contra aqueles monstros. Eram de sete para cima. O quê?... não te lembras? (mudando para o tom de voz do Tibúrcio).

Tu não te lembra da tia Mariquinha que tinha engorido cinco angorare, e médico que faz peração na bariga tirou dois e quinhenta? E do tio Paurino qui andava esconfiado. Dizia que o filho não era dere. O moço tinha duas perna verdadeira e o tio Paurino tinha uma perna de pau. E lá no S. Paulo, branco és mesmo esperto, he,he,he, fez uma rua mesmo no meio dos dois passeio. O quê também não te lembra? Já estou ficar xateado, meu! Deixa então olhar bem para ti. Afinar tu és como a Macumbina, és murer... pá!... já não vou beber mais «Cuca» nem «Nocal». Tu também não és meu clone!


  Pela terceira vez, fecham-se as cortinas. Ao abrirem-se, só se encontra no palco um espelho.

- 4.º Acto. -

  Marius70 dirige-se, cabisbaixo, para o 4.º espelho. Ao chegar a ele olha para a imagem nela reflectida. Nada diz. Lentamente, endireita-se. Passa a mão pelos parcos cabelos e pelas cãs já da cor da prata. Olha uma vez mais para aquela imagem tão sua conhecida. Imagem que durante muitos e longos anos a vê, constantemente, reflectida nos espelhos. Sorri, enquanto uma lágrima lhe desliza pela face. Tinha encontrado finalmente o seu clone. O clone... que tanto tinha procurado estava ali, à sua frente. Afinal nunca tinha deixado de ser quem era. Marius70 era, simplesmente,... Marius70, e nada mais!

  Vira-se para a plateia muda e queda. Estavam todos a viver a alegria daquele homem que tinha procurado o seu clone e o tinha encontrado.

De repente, B levanta-se, e como não tinha percebido nada da história, aquilo era de mais para a sua camioneta, agita uma bandeira e berra palavras em tons de azul: «BIBA O PORTO, CARAGO!». Procura sair rapidamente para ir à net da Empresa onde trabalha, meter mais uns quantos temas por segundo. A seu lado, K medita na peça que lhe fora dada a ver. Tinha sido enganado. Afinal não havia clone nenhum, marius70 tinha falado verdade. Ele, um homem já com tantas primaveras em cima, acreditara num fedelho e perdera um amigo. Até lhe tinha chamado palhaço. Que tristeza lhe invadia a alma. Pela última vez os seus olhares se cruzam. As cortinas começam a fechar-se lentamente.

  No fosso, a orquestra toca as últimas notas do... «Requiem para um amigo».




04.02.2003


publicado por marius70 às 16:32
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Eu, escriba!

Morreu o "canastrão"

Mudança de hora

Madonna

A "mãe" natureza

arquivos

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Agosto 2013

Outubro 2012

Julho 2011

Maio 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

links

SAPO Blogs

subscrever feeds