Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009

Fernando Peixoto




  Não o conhecia. Fernando Peixoto comentou num tema meu sobre os «Gorilas do Maiombe», designação do Batalhão de Caçadores sediado em Cabinda. Ele também estivera lá. Em conversa por mail verificamos que ambos, embora em anos diferentes, tínhamos calcorreado os mesmos locais. Tal como eu, esteve em Tando Zinze, onde tínhamos o aquartelamento. Andara na mesma floresta cerrada que é o Maiombe. Sentira os mesmos cheiros, os mesmos sons, os mesmos batuques. Quem sabe se também “amara” nas mesmas esteiras. Viu o mesmo céu estrelado através das clareiras daquelas copas de árvores enormes, o seu luar rompendo o ventre da folhagem, iluminando tenuemente a “picada” onde nós, soldados, aguardávamos ansiosos que novo dia despontasse, que a cor e o som voltasse àquela floresta, que o torpor da noite passado ao relento desaparecesse, que a cacimba que nos tolheu, que nos enregelou mesmo com os impermeáveis, desse lugar aos raios de sol que, embora a medo, se infiltrava naquelas ramagens quase impenetráveis.

  Trocámos nº de telemóveis e, depois de algumas conversas, disse-me que voltara a estudar. Fiquei surpreendido por esse facto pois raramente se volta a estudar já com uma vida formada. Mas Fernando Peixoto fizera-o. Sabia-o ligado a um grupo teatral e Poeta pois enviara-me os seus blogues Todo Mundo É Um Palco e Arca de Ternura, através deles conheci-o mais um pouco.

  Ficámos de nos encontrar em Setembro de 2008 em Belém onde, entre dois pastéis, iríamos reviver a nossa passagem pelos «Gorilas». Era sobre isso que ele gostaria de falar. Dos momentos passados entre companheiros da mesma luta, abominava tanto a guerra quanto eu, do companheirismo, da entreajuda, falar daqueles cheiros da terra vermelha, do marufo (bebida destilada da seiva da palmeira), da "Casa das tintas", dos alambamentos e outras recordações daquele “Mar Vegetal” de seu nome Maiombe.

  Quando falei com ele, disse-me que não podia vir porque estava adoentado. Nunca imaginei o que poderia ser pois quando de novo voltei a conversar nada mais adiantou. Foi a última vez que o ouvi. A novas chamadas não me respondia.

  Há pouco tempo li um comentário de sua filha, Helena Peixoto, no meu blog «Sons no Silêncio»:

Carissimo Mário,

  Conheci o seu blog através de alguém que muito o admirava, o meu pai, Fernando Peixoto, que nos deixou faz alguns meses...


  Nunca mais o iria conhecer em vida o Homem que andou nas mesmas paragens longínquas que eu. É só uma conversa adiada. Um dia destes iremos conversar sobre aqueles cristalinos regatos, daquelas mulheres cor de ébano, das esteiras, das danças à volta da fogueira...

  No dia 31 de Janeiro haverá uma homenagem em V. N. de Gaia a este Poeta e Homem de Teatro. Eu não estarei lá mas estará lá o meu abraço.





publicado por marius70 às 10:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Eu, escriba!

Morreu o "canastrão"

Mudança de hora

Madonna

A "mãe" natureza

arquivos

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Agosto 2013

Outubro 2012

Julho 2011

Maio 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

links

SAPO Blogs

subscrever feeds