Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2006

O Rei vai Nu...



                       P’lo jardim vai o rei a passear
                       Levando pela mão a sua amada
                       Ouve-se a cachoeira a murmurar
                       E o lindo chilrear da passarada

                       Viram estátuas viram bancos
                       Viram lagos viram fontes
                       Viram anjos viram santos
                       Viram grifos aos montes

                       Neptuno com o seu tridente
                       Golfinhos em pedra tratada
                       Vai o rei p’lo terreiro sorridente
                       Abraçando a sua amada

                       Cavalos treinados e galopados
                       Músculos tensos e trementes
                       No picadeiro são treinados
                       Por homens viris e competentes

                       Sai dali o rei satisfeito
                       Cheirando o cabelo de sua amada
                       Param enlevados junto a um ribeiro
                       Que por baixo deles passava

                       Vai a mãozinha marota sem pejo
                       De encontro aos palpitantes seios
                       Arfa o peito aumenta o desejo
                       Unem as bocas em doces beijos

                       O local não é o mais indicado
                       Para sua realização plena
                       Olha o rei para todo o lado
                       Nessa manhã linda e amena

                       P’lo carreiro vai o rei
                       Por ervas e silvado adentro
                       Em prazeres destes não há lei
                       Só luxúria e amor no pensamento

                       Desaperta com frémito ardor
                       As calças caem duma assentada
                       Treme o corpo com vigor
                       Levanta a saia à sua amada

                       Estavam em puro deleito
                       Em frémitos ais de prazer
                       Corre o amor a preceito
                       Que lindo é de se ver

                       Mas de repente apareceu
                       Não se sabe d’onde, surgiu
                       Em galope um grande alazão

                       Saído da bruma como macaréu
                       Uma saia levantada ele viu
                       E um rei com as calças na mão.






06.01.2005


publicado por marius70 às 18:11
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Eu, escriba!

Morreu o "canastrão"

Mudança de hora

Madonna

A "mãe" natureza

arquivos

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2014

Novembro 2013

Agosto 2013

Outubro 2012

Julho 2011

Maio 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

links

SAPO Blogs

subscrever feeds